written by
Aela.io

11 maneiras para perder uma vaga em UX Design

Careers UX UX/UI Design 1 min read

Há algo de estranho. Você fez vários cursos, trabalhou em boas empresas, tem um portfólio legal... Mas mesmo assim não consegue aquela tão sonhada vaga em UX! Não se desespere, resolver essa questão pode ser mais simples do que parece. Nesse artigo você conhecerá os erros mais comuns que te impedem de conseguir uma vaga em UX Design, e saiba como evitá-los!

Homem desesperado com as mãos na cabeça
Photo by ahmad gunnaivi on Unsplash

Você ja se perguntou o porquê de não conseguir aquela tão sonhada vaga de UX Designer? Ou de nem ao menos ser chamado para entrevistas? É muito comum esse tipo de situação acontecer com diversos profissionais, inclusive aqueles que possuem um excelente portfólio.

Em um processo de recrutamento e seleção não basta ter todos os requisitos técnicos solicitados. Existem algumas pequenas atitudes que podem fazer toda a diferença na sua contratação. Já a falta desses detalhes podem ser cruciais para que você não consiga a vaga em UX que tanto deseja.

Nós mapeamos os 11 principais erros que fazem você NÃO conseguir a vaga que tanto deseja. Confira a lista e prepare-se para o sucesso!

Já leu o 2019 Product Design Hiring Report? Nele você encontra insights interessantes sobre o mercado de trabalho para UX Design!
Você deseja migrar para UX/UI Design?
Durante a semana do dia 05 a 15/09 acontecerá o Workshop Online e Gratuito “Migrando para Product Design (UX/UI)”. Participe e descubra os passos necessários para decolar sua carreira e conheça as diversas oportunidades no mercado nacional e internacional. Inscreva-se aqui:http://go.aela.io/workshopuxui

1) Ter um currículo de 100 páginas

muitas páginas
Photo by Patrick Tomasso on Unsplash

É claro que mostrar a sua experiência no currículo é importante. No entanto, você não precisa colocar sua experiência de trabalho quando foi jovem aprendiz no mercadinho do seu tio, 20 anos atrás.

Pense que os recrutadores recebem centenas de currículos para uma só vaga. Seja sucinto, mas sem retirar informações realmente importantes.

Organize seu currículo de forma que o recrutador sinta-se convidado a ler. Pense nos títulos, no tamanho da letra e no número de páginas. Tudo para que o leitor não se canse.

Você nunca pensou que deveria aplicar conceitos de experiência do usuário no seu currículo, não é mesmo? Mas por que não? Pense no recrutador como seu usuário!

2) Não lapidar seu currículo para UX Design

peças de quebra cabeça
Photo by Hans-Peter Gauster on Unsplash

Não basta entregar o seu currículo com um monte de informações sem antes tê-lo moldado apropriadamente para a vaga.

É interessante deixar as suas informações e experiências alinhados com a vaga pela qual você está se candidatando. Se é uma vaga em UX Design, se preocupe em deixar clara a sua experiência nessa área, ou que você possui as skills necessárias.

Entenda qual tipo de profissional que a empresa está procurando e quais são as responsabilidades descritas para a vaga. Dessa forma, você consegue ressaltar os seus conhecimentos e experiências que mais se adequam com o que a empresa procura.

Não é preciso ter background em Design para se tornar um Product Designer. Confira a história de Thiago Alves, antes administrador e agora UX Designer.

3) Ter um currículo superficial

Bullet Points
Photo by Glenn Carstens-Peters on Unsplash

Muitos candidatos colocam apenas informações superficiais em seus currículos. Ficam satisfeitos em escrever somente o nome da empresa e o cargo que lá possuíam.

Descreva as suas responsabilidades em cada uma das experiências que você teve. Coloque os projetos, os aprendizados e os desafios de cada cargo que você ocupou. Dessa forma, o recrutador vai conseguir te conhecer melhor e entender se o seu perfil está de acordo com o que ele procura.

Se você não fornece esses detalhes sobre sua vida profissional, a chance do recrutador descartar teu currículo logo de cara é muito alta.

Mas não se esqueça: detalhe seu currículo deixando ele mais lapidado para a vaga que você almeja, conforme o item número 2 desta lista.

4) Mentir no currículo

Pinnochio
Photo by Anita Jankovic on Unsplash

Ninguém gosta de ser enganado, muito menos os recrutadores. Colocar informações falsas no seu currículo só causa transtornos e põe em dúvida os seus valores e sua índole.

Além disso, é comum em UX a aplicação de testes práticos no processo seletivo. Caso você tenha mentido sobre alguma habilidade, não passará nos testes e estará em uma situação constrangedora.

De Publicitário a UX Designer - Confira a história de Neudson, mais um profissional que migrou de carreira!

5) Não atualizar o LinkedIn

O LinkedIn é uma rede social que favorece o networking e possibilita a contratação de profissionais pelas empresas. Por conta disso, se faz extremamente importante ter um perfil atualizado nessa rede.

Você não apenas terá um currículo online, mas também a oportunidade de se conectar com empresas e outros profissionais, podendo criar novas oportunidades de trabalho.

Muitos recrutadores e RH de empresas usam o LinkedIn para buscar novos profissionais, portanto é essencial que você esteja presente e saiba utilizar corretamente essa ferramenta.

Você está usando o LinkedIn corretamente? Veja nesse artigo dicas para você criar seu perfil ou atualizá-lo de maneira que gere resultados!

6) Não fazer uma carta de apresentação

This is who I Am
Photo by Felicia Buitenwerf on Unsplash

Ao enviar o seu currículo, também é recomendável que você se apresente no corpo do e-mail. Escreva quem é você, quais são os seus objetivos profissionais e porque há interesse na vaga.

Essa apresentação também é conhecida no exterior como cover letter, e é muitas vezes obrigatória. Mas, mesmo não sendo no Brasil, é uma forma interessante de você já se diferenciar, destacar e despertar o interesse do recrutador ler seu currículo. Ao invés de simplesmente escrever no corpo do email: "Segue currículo anexo". PS: Existem diversos casos até do email ser enviado sem o currículo anexo! Cuidado, atenção aos detalhes.

Apesar de ser importante essa carta de apresentação, atente-se para seu tamanho. Não é necessário contar toda a sua história de vida. Seja direto, objetivo e educado. Com certeza você ganhará alguns pontos pela preocupação em apresentar-se.

7) Não estudar a empresa que oferece a vaga

Google Logo
Photo by Christian Wiediger on Unsplash

Antes de fazer uma entrevista, pesquise sobre a empresa e seus colaboradores. Procure informações como:

  • Objetivos, valores e missão;
  • Qual o mercado que a empresa atua;
  • Qual o tamanho da empresa;
  • Quais os produtos que ela oferece
  • Quem são seus principais colaboradores e como esses veem a empresa.

Conhecer a empresa abre uma conversa de mão dupla no momento da entrevista. Você conseguirá associar as responsabilidades da vaga com o momento da empresa e com os objetivos dela. Além disso, você terá a chance de refletir se o mercado que ela atua é o um mercado que você tem interesse em trabalhar.

"E uma dica importante: as pessoas tem que pesquisar sobre a empresa que está oferecendo a oportunidade, também. E entender se faz sentido trabalhar lá ou não." - Neudson Costa, aluno do curso MID.

8) Não fazer perguntas

Ask
Photo by Emily Morter on Unsplash

Muitas pessoas se esquecem ou não sabem que a entrevista de emprego é uma via de mão dupla. É a chance do recrutador te conhecer e também de você conhecer a empresa.

Portanto, pense previamente nas perguntas que você gostaria de fazer. Não tenha medo de perguntar. Afinal de contas, é a sua vida profissional e perguntar é a melhor maneira de entender se aquela vaga está de acordo com seus objetivos. Ou ainda, se a empresa oferece as oportunidades e benefícios que você procura.

Aquela pesquisa inicial sobre a empresa, seus colaboradores e a vaga oferecida te ajudará a elaborar essas perguntas antes da entrevista.

9) Não se preocupar com a fala

Bad Words
Photo by Matthew Brodeur on Unsplash

Apesar das empresas e seus processos estarem se modernizando e tornando-se mais informais, ainda é preciso ter cautela quando em uma entrevista.

É importante prestar atenção em alguns pontos com relação a sua maneira de se expressar:

  • Evite o uso de gírias e palavrões;
  • Cuidado com seus gestos e expressão corporal;
  • Não fale mal da empresa onde trabalha atualmente ou já trabalhou.

Além disso, avalie a empresa para entender como é a melhor maneira de se comportar na entrevista. Por exemplo, para um banco, provavelmente, a entrevista tenha um tom mais sério. No caso de uma agência, pode ser que o tom seja mais informal. Claro, que essa visão não é uma regra, mas pode te ajudar na hora da entrevista.

A boa comunicação é uma soft skill essencial para o Product Designer. Leia este artigo para entender como desenvolver melhor essas habilidades.

10) Não usar Keywords no currículo

Photographer: LinkedIn Sales Navigator | Source: Unsplash

Para uma única vaga, um recrutador pode receber centenas ou até milhares de currículos. Já podemos imaginar que ler todos os documentos é um trabalho impossível. Por isso que existem alguns softwares que filtram o currículo buscando por palavras-chave.

Por exemplo, se a vaga requer inglês e espanhol fluente, o buscador irá selecionar os currículos que apresentem essas características e descartará os demais.

Dessa forma, é imprescíndivel utilizar palavras-chave no seu currículo para se destacar. Entenda as necessidades da vaga e construa os textos e as descrições utilizando as melhores palavras. Não apenas jogue os termos de maneira aleatória. As palavras-chave tem que fazer parte de um contexto e fazer sentido dentro do seu currículo.

11) Não apresentar seu portfólio

Portfólio de UX - Luka Vasconcelos
Portfólio de Luka Vasconcelos

Para um UX Designer, o portfólio é extremamente importante. É por meio dele que a empresa consegue avaliar o seu trabalho e entender se as suas habilidades estão de acordo com que a vaga precisa.

Além disso, o portfólio é necessário caso você ainda não possua experiência em UX Design. Muitos alunos do MID colocaram em seu portfólio os exercícios do curso, e por conta disso, conseguiram passar nas entrevistas que fizeram.

"...durante o Bootcamp eu fui montando meu portfólio através dos projetos de UX, interface, e redesign propostos e das orientações meticulosas dos mentores e da ajuda da Comunidade Aela no Slack. Então, tudo o que eu ia fazendo, eu utilizava como recurso para compor meu portfólio e apresentar nas entrevistas." - Fábia Coelho, aluna do curso MID.

Contudo, montar um portfólio não é apenas colocar os resultados finais dos projetos/ exercícios que você fez. Utilize técnicas de Storytelling em seu portfólio para mostrar aos recrutadores todo o processo dos seus projetos.

Portfólio de Luka Vasconcelos
Portfólio de Luka Vasconcelos - Aluna do MID
Saiba como utilizar o Storytelling para aperfeiçoar o seu portfólio!

Passar em uma vaga/ entrevista de UX Design requer mais do que suas habilidades técnicas. Tenha em mente todos os erros que listamos aqui e os evite ao máximo.

Em nosso canal do Youtube você encontra diversas entrevistas com nossos alunos, que nos contaram um pouco sobre seus backgrounds antes de migrarem para UX Design, os processos e entrevistas que passaram até alcançarem a tão sonhada vaga em UX. Acesse e inspire-se!

Além disso, fique atento ao nosso blog. Estamos frequentemente colocando conteúdos interessantes, não somente sobre carreira, mas também sobre diversos outros assuntos relacionados a Product Design.

Ah, e não se esqueça: qualquer dúvida que tiver, nos mande uma mensagem!