written by
Aela.io

Tendências de Design para 2020 - Seguir ou Não seguir?

13 min read

Como serão as tendências de Design para 2020? Essa é uma pergunta que muitos estão fazendo nesse começo de ano para tentar encontrar algumas respostas ou pelo menos direcionamentos. Decidimos, então, ouvir a opinião Daniel Furtado que fez um vídeo top em seu canal do Youtube, UXNOW. Quer saber quais serão os trends em Design? Continue lendo este artigo e descubra!

Tendências de Design 2020
esign

Nosso mentor, Daniel Furtado, formado em Design de Produto e pós graduado em UX Design, fez um levantamento sobre as principais tendências de design para 2020.

Trouxemos neste artigo os principais pontos abordados por ele e uma importante discussão sobre se devemos seguir ou não seguir tendências, vem com a gente!

Quais São as Principais Tendências de Design?

Quando pensamos em tendências, estamos falando em possibilidades de acontecimentos futuros. Ou seja, não é uma ciência matemática em que vamos acertar com certeza. Contudo, são direcionamentos importantes que devemos pelo menos sempre estar de olho e fazer avaliações.

Assim, nada melhor como começo de ano, para pensar em tendências de um ano que está se iniciando.

Dentre as tendências abordadas por Daniel, algumas dessas tendências são mais condizentes com a realidade brasileira. Principalmente no que diz respeito à tecnologia. Outras podem talvez não fazer ainda tanto sentido em nossas vidas. Como por exemplo, a Inteligência Artificial. Pois, apesar de estar avançando, ela ainda se encontra bem aquém dos países desenvolvidos, onde a robótica já está um passo a frente.

Dentre as tendências apontadas, algumas possuem uma relação mais direta com o design visual. Já outras são tendências mais relacionadas com a aplicação tecnológica e inovações como no caso da escrita humana e inteligência artificial. Vamos então à elas!

Ilustrações em Substituição à Fotos:

Ilustrações - Tendências de Design

O ano de 2019 pode ser considerado o ano das ilustrações. Vocês também notaram elas em tudo quanto é lugar?

A ilustração continua sendo uma tendência de design para 2020. Principalmente em substituição à fotografia. Sendo assim, ao invés de se colocar a foto de uma pessoa, é aconselhável colocar uma ilustração.

Essa tendência traz uma questão muito maior por trás dela. Como exemplo, podemos citar a manifestação da inclusão, da pluralidade de gênero, pluralidade de raças, religião, entre outras, conforme destaca Daniel.

Além disso, o uso da foto pode inclusive encarecer um projeto. Pois, para usar a imagem de um banco, por exemplo, pode haver a necessidade de se pagar direitos autorais. Isso não acontece se for substituído por uma ilustração.

Dentro desse contexto, uma super tendência que surgiu e que deverá se perpetuar por todo esse ano são os desenhos no formato gif. Ou seja, animados. Isso vem ganhando bastante espaço. Até porque sai do convencionalismo e proporciona mais possibilidades à ilustração.

Jakob Nielsen também listou 10 desafios de UX para os próximos anos. Confira aqui o artigo que fizemos sobre essa palestra

Dark Mode ou Modos Escuros:

Light and Dark Mode - Tendências de Design 2020
Going *Over* to the dark side - por Marisa Breedt

Essa é uma das tendências de design que gerou muita polêmica na visão de Daniel. Pois, ela surge justamente para maximizar o uso da bateria dos dispositivos.

Dessa forma, ao usar fundos escuros, a bateria de quem está navegando irá durar mais e e o usuário poderá passar mais tempo utilizando o dispositivo. Afinal, as pessoas, principalmente a nova geração está passando mais tempo usando o smartphone. O que já levanta algumas polêmicas sobre o uso exagerado das mídias sociais.

Além disso, o fundo preto também possibilita um destaque maior para o conteúdo. Sendo esse um dos motivos que faz com que as empresas venham apostando nessa tendência.

Furtado explica também que é preciso ficar alerta com o uso dos dark modes. Pois, podem ocorrer problemas de contraste e de tipografia.

Nesse caso, uma interface que pode ficar boa com o preto escrito por cima do branco, pode não chamar a mesma atenção quando o branco está por cima do preto. Por essa razão é preciso tomar alguns cuidados, justamente para preservar a leitura e a usabilidade como um todo.

Confira o estudo de caso sobre redesign do Instagram liderado por Ian Spalter e quais os aprendizados que podemos tirar desse caso

Minimalismo:

Minimalismo - tendências de Design

Essa é uma tendência que surgiu primeiramente na arquitetura, mas que vêm expandindo-se para as demais áreas.

Ela procura tirar todo o excesso, deixando somente a essência de algo.

Como exemplo do minimalismo aplicado ao Design Digital, Daniel cita uma tela de login. Nela, por exemplo você quer somente colocar o seu nome e/ou email e um ok, para então ir para a próxima tela. Assim, nesse raciocínio, tira-se todas as demais informações dessa tela, focando somente no objetivo principal: deixar o espaço para ser colocado o nome e login.

Aliás, o minimalismo é uma tendência que está mais além do design. É, digamos, uma tendência global.

Furtado salienta que o pensamento envolve inclusive o capitalismo. Afinal, nele o consumismo passou do grau de exagero, chegando a comprometer inclusive o meio ambiente. Sendo assim, o minimalismo passou a ser uma tendência também na vida das pessoas. Onde procura-se pensar: eu preciso disso? Esse item é essencial para minha vida? Ao responder essas questões, evita-se um consumo desnecessário.

Esse conceito foi levado para o design. Conforme destaca o autor, tende a crescer durante esse ano. Dessa forma, haverá mais apostas em designs baseados nesse conceito. Ou seja, um design mais simples e objetivo.

Quer entender mais sobre o que é UX Design? Confira esse artigo

Neumorphismo: uma Tentativa de Proximidade do Real e Digital

Quando o computador deixou de ser usado por técnicos e passou a ser usado por pessoas comuns como nós, havia uma necessidade de trazer para o nosso vocabulário o que se estava fazendo ali. Foi então que se passou a utilizar os conceitos como "guardar" arquivos em uma pasta, "subir" um documento, "salvar" um arquivo. Era uma necessidade de aproximar o real do virtual.

Esta aproximação com o mundo real é chamada de esqueumorfismo. Ou seja, o ícone da lixeira ser de fato um balde de lixo.

Entretanto, nos últimos anos o flat design - estilo visual que usa elementos simples, de apenas 2 dimensões, com cores vibrantes - voltou como a tendência dominante e passou a ser aplicado em grande escala. Sistemas de design muito importantes, como o Material Design e o Apple Human Interface Guidelines, o utilizam como base, mas aprimoraram vários problemas decorrentes de se aplicar o flat design à risca.

Já o neumophismo é um estilo visual que utiliza sombras internas e externas na tentativa de criar uma ilusão soft de formas tridimensionais. Alguns dizem ser um meio termo entre o flat design e o esqueumorfismo. Essa é uma tentativa de recriar essa aproximação do mundo real com o mundo virtual, mas sem exagero. Porém, existem discussões e controvérsias a respeito da real aplicação deste trend.

Storytelling, uma das maiores tendências do design

Storytelling

O Storytelling também aparece como uma das maiores tendências de Design para 2020. Podemos então dizer, que o storytelling, é a prática de contar algo de maneira encantadora para o público, de forma que exista uma identificação, levando uma mensagem relevante para eles.

Com isso, você passa a se colocar no lugar do personagem e criar uma certa empatia.

De acordo com Daniel, essa é uma tendência justamente para trazer uma proximidade maior com os usuários. Que é algo que as marcas buscam o tempo todo.

O storytelling não precisa ser necessariamente escrito. Ele pode ser feito através de vídeos.

Além disso, um dos maiores gatilhos mentais estudados é a prova social. Ou seja, costumamos querer seguir as pessoas que são referência em um determinado assunto. Por exemplo, se uma pessoa obteve sucesso em uma determinada área, ela se torna uma referência no assunto.

Logo, todas as pessoas que buscam sucesso nessa mesma área, verão essa pessoa como referência. Nesse caso, há uma empatia, sendo que o storytelling, tem essa capacidade de narrar a vida dessa pessoa deixando-a mais próxima do seu público. Por essa razão, essa é uma das grandes tendências para 2020.

Se você que entender melhor sobre storytelling e como utilizar em seus projetos de UX Design, dá só uma olhadinha neste artigo que separamos para você!

Human Writing

De acordo com Daniel, é preciso dar uma atenção especial para essa tendência de design. Ele ainda salienta que essa pode ser considerada uma mega tendência.

A escrita humana tem sua origem nos primórdios da humanidade. Aliás, foi ela a responsável por separar a pré-história da história. E novamente vem marcando história nessa nova era digital.

Os usuários estão cada vez mais buscando informações sobre um determinado assunto antes de realmente consumir o produto ou serviço de fato. Inclusive, é um tema bastante tratado na jornada do usuário.

As empresas, dessa forma, buscam cada vez mais incorporar nos seus websites, blogs informações úteis aos clientes de acordo com a etapa de compra que os mesmo se encontram. Sendo divididos basicamente em três etapas: topo do funil, meio do funil e fundo do funil.

Conceitos como o inbound marketing, inclusive são oriundos dessa vertente que vêm crescendo a cada dia. Guarde esse conceito, pois certamente será uma das mega tendências de design para 2020.

Ética no Design

Ética no Design

Furtado destaca que essa tendência deve ser acompanha de uma legislação cada vez mais forte, onde precisa ser intensificado a fiscalização em cima de propagandas e interações que acabam forçando a barra.

Ou seja, há uma invasão na vida do usuário, em que ele pode ser forçado a consumir algo que não está disposto. Daniel destaca que isso pode ser considerado inclusive, uma certa "malandragem" por parte das empresas, mas que irá garantir um retorno somente no curto prazo.

Dessa forma, sem a incorporação da Ética no Design, os usuários acabam sendo bombardeados com propagandas de produtos. Ainda mais quando essas propagandas são carregadas de gatilhos mentais, que podem despertar o desejo do consumo de maneira inconsciente.

Todavia, como a compra ocorre de maneira inconsciente, o usuário irá perceber rapidamente que aquele determinado produto não é o que realmente procurava, e isso fará com que acabe proliferando um sentimento negativo quanto a marca.

Por essa razão, Furtado aponta essa como uma das mega tendências para o ano de 2020, na qual os Designers precisam zelar pela ética na profissão urgente.

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial

Uma importante tendência apontada foi a inteligência artificial. Não é de hoje afinal, que ela vem crescendo e sendo usada para facilitar a vida dos usuários.

Hoje por exemplo, é possível manter um atendimento 24 horas em um site, usando a inteligência artificial.

Além disso, com o uso dos algoritmos é possível, segundo Furtado, ir eliminando trabalhos repetitivos da profissão de Designer.

Por outro lado porém, isso acaba gerando uma perda de emprego humano, e aí vem novamente uma questão: até que ponto isso é bom?

No entanto, é possível notar que a substituição do trabalho humano pela inteligência artificial irá acontecer basicamente nos trabalhos repetitivos.

Se no curto prazo isso pode representar algo ruim, no longo prazo pode criar novos tipos de trabalho. Pois, começa a surgir uma exigência maior por especialistas em determinados assuntos.

O usuário também pode por meio dos chats, conversar com uma inteligência artificial até certo ponto. Porém, quando o assunto se torna mais técnico, é necessário que o atendimento seja feito por um humano.

Nesse sentido, ao invés de ficar apenas focado em questões básicas, podemos aperfeiçoar conhecimentos, para então se encaixar em trabalhos mais qualificados. Esse é um dos pontos que sempre gera aquela dúvida: a inteligência artificial irá substituir os designers? Assunto para uma outra longa discussão.

Devo ou Não Seguir Tendências de Design?

Seguir ou não tendências

Para saber se é vantajoso, ou se você deve ou não seguir uma tendência, é preciso pensar globalmente e agir localmente. Em outras palavras, não se deve apenas ficar focado no seu microuniverso, que pode representar o seu ramo e localizade.

Vamos imaginar, que se você mora em um pequeno município, é possível saber dos avanços robóticos que são lançados a todo instante? Ou seja, apesar de trabalhar no microuniverso, é preciso acompanhar tudo o que acontece no mundo.

Assim, vai ficando mais fácil identificar as macrotendências que vão surgindo, e procurar identificar quais delas são aplicáveis ao seu negócio e quais ainda estão um pouco distantes.

É preciso ter em mente que inovações invadem um determinado setor em uma velocidade tão grande, que quando nos damos conta já não é mais possível acompanhá-las. Para seguir, portanto, uma tendência é preciso atentar-se para as novidades como um todo e se perguntar:

Será possível aplicar essa tendência em meu setor?

Cuidado ao Seguir Tendências de Design

Contudo, cuidados também precisam ser tomados, salienta Daniel. Afinal, ao procurar seguir tanto uma tendência você precisa ver se não será mais um no meio de vários fazendo exatamente a mesma coisa.

Um exemplo, se todos estão usando um tipo de degradê, ou colocando um botão vermelho, e você passa a fazer exatamente igual, você deixa de ser diferenciado. Claro que é interessante seguir as tendências, mas evitando fazer com que seu trabalho fique igual ao dos demais.

Furtado, enfim destaca que cada um tem o seu pensamento e o seu sentimento. Saber analisar e seguir as tendências não impedirá você de manter o seu jeito, de colocar toda a sua experiência que somente você possui em um projeto.

Desse modo, é preciso então atentar-se para as tendências inevitáveis como o avanço da Inteligência Artificial que pode colaborar por meio de algoritmos no seu trabalho, como também para as tendências que podem ser seguidas, mas ao mesmo tempo precisam ser ponderadas, como cores e degradês por exemplo.

Como Identificar Tendências de Design de Verdade?

Daniel finaliza o vídeo de maneira brilhante, levando a uma profunda reflexão sobre como identificar se algo é realmente uma tendência ou a expressão de uma tendência.

Como exemplo, Furtado fala sobre o avanço da inteligência artificial, onde diversos processos serão automatizados. Ou seja, por meio de uso de algoritmos é possível desenvolver ações cada vez mais focadas e customizadas para o usuário.

Ele deixa claro que apesar dessa tendência ainda parecer distante do Brasil, visto que ainda existem municípios onde a internet ainda é precária ou mesmo inexistente, ela é uma macrotendência que deve somente se expandir e por isso é necessário dar uma atenção especial à ela.

Sendo assim, ele leva o espectador a repensar a identificação de uma tendência. Afinal, como é possível identificar uma tendência de verdade? Será que a inteligência artificial já é uma tendência para o meu ramo? Até que ponto é possível usar um algoritmo para melhorar um processo?

Enfim, a capacidade reflexiva e lógica precisa nortear o pensamento do designer para conseguir distinguir quais são as tendências aplicáveis para o seu negócio, evitando assim, "viajar na maionese" e fazer algo completamente sem sentido.

Se você quiser conferir o vídeo completo do Daniel, confira aqui:

O Daniel é um dos mentores da Aela. Que tal fazer parte dessa comunidade e evoluir na sua carreira como designer? Nos acompanhe para saber qual é data da próxima turma do Bootcamp Master Interface Design.


Gostou do artigo? Deixa um comentário! O feedback de vocês é muito importante para continuarmos criando conteúdos relevantes.

Se você quiser encontrar mais artigos como esse, acesse nosso Blog! Lá, você tem diversos temas relacionados a UX Design. Desde ferramentas e conceitos até dicas para migrar de carreira! Fique ligado para não perder nenhum aprendizado!

Ficou com alguma dúvida? Manda uma mensagem!